Exposição na Fundação Cultural aborda importância da autoestima e da força de vontade para superação do câncer

OUTUBRO ROSA

“Eu acordava pela manhã e ia com o carro que levava a gente para o Hospital, eu sentia alegria que estava indo para a quimio me curar. Eu sabia que a minha força de vontade me levaria à cura”. O relato é de Irma Venson, uma das retratadas da campanha “No peito, só alegria”, que acontece no Salão de Exposição da Fundação Cultural até esta sexta-feira (06). A mostra traz ao público dois ensaios fotográficos que retratam mulheres vivenciando o principal tratamento contra o câncer: a alegria e a força de vontade.

Irma é uma das personagens que serve de inspiração para milhares de mulheres e também é a prova de que a principal base do tratamento é a autoestima e a resiliência. Isso é o que os dados científicos mais recentes afirmam: o serviço médico corresponde a 30% do tratamento, os outros 70% se dá com a força de vontade do paciente. Aos 67 anos, Irma superou o câncer há mais de quatro anos, em um tratamento intenso para curar um grau avançado da doença. “Você veio, deu o aviso que precisava e agora pode ir”, relatou Irma que se sentiu mais fortalecida e com a autoestima muito melhor após a superação do câncer.

Os relatos e as fotos dela integram o projeto de monografia dos alunos de publicidade da UDC, Leandro Bortoloto e Fernanda Formentin. “Nós fizemos um amplo trabalho de pesquisa, como metodologia bibliográfica, qualitativa, com aplicação de questionário e a abordagem participativa. Tudo isso levou à campanha de fotodocumentário que retratou a garra e a força de vontade das mulheres que superaram o câncer”, contou Bortoloto ao traduzir na foto de Irma, a força da imagem na representação da autoestima das pacientes.

Além do trabalho de Bortoloto e Formentin, a mostra é composta pelo ensaio fotográfico de Bruna Evelyn Wutkiewicz e Milena Miliati, que se formaram pela mesma faculdade em 2016. O projeto “No peito, só alegria” surgiu através do trabalho de conclusão de curso da dupla de ex-acadêmicas. “Nós temos uma página nas mídias sociais e nosso objetivo no trabalho foi realçar a importância da beleza feminina e a autoestima no processo de recuperação dessas mulheres”, contou Wutkiewicz.

A ideia de unir os dois trabalhos e transformar em exposição surgiu dos professores Luciano Ferrari Villela e Mac Fernandes, com a orientação da Profª Anne Carolina Festucci e ganhou vida através de uma parceria entre o Centro Universitário Dinâmica das Cataratas UDC, a Agência Experimental de Publicidade e Propaganda Ideiaria UDC e a Fundação Cultural.

Beatriz e Milena, Professor Mac Fernandes e Leandro e Fernanda