Delegação do CEPAC faz visita a São Miguel do Iguaçu

 

Peças antigas preservadas por colecionador trazem um pouco da história do município

 

Membros da Comissão Permanente de Preservação e Fiscalização, do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural (CEPAC), realizaram esta semana visita técnica ao município de São Miguel do Iguaçu. 

 

O convite veio do vice-prefeito Albino Bissolo, o mantenedor de uma coleção de objetos antigos, que tratam sobre a história cultural e do desenvolvimento da relação do homem com a terra daquela cidade. 

 

“Coleciono objetos há mais de 20 anos, e acho que a comissão pode ajudar muito em como poder transformar isso numa ação conjunta, em proteger, catalogar, organizar para que mais pessoas possam ter acesso e saber mais sobre a história de cada peça, de como os avós, bisavós viveram”, comentou.

 

O acervo conta com uma gama variada de objetos que vão desde maquinários antigos, carros de boi, rádios, telefones, ferramentas rurais e até um antigo canhão. 

 

As peças estão bem divididas e em boas condições, mas Bissolo revela que uma pesquisa detalhada sobre cada objeto, pode valorizar a preservação da memória. “Minha ideia é de abrir o espaço para visitação de escolas públicas”, disse.

De acordo com Pedro Louvain, membro do CEPAC, a orientação foi de realizar a articulação da coleção particular com a História Municipal, para que possa ser percebida como um elemento gerador de promoção e salvaguarda da memória local, tendo em vista a relevância da criação de uma Exposição às gerações futuras. “Há um enorme potencial para a formação de um roteiro de visitação que poderá proporcionar ao público um momento interessante, agradável e pedagógico”.

 

Nilson Nagata, também membro do CEPAC e idealizador da visita, estava satisfeito com o primeiro contato;”essa visita para nós é como um resgate da nossa própria história. Nós vivemos isso com nossos pais na nossa infância e estamos revivendo nesse momento”.

O próximo passo, cabe à comissão, que irá formular um parecer técnico com recomendações de conservação, exposição e visitação, que vão desde medidas de prevenção de incêndio e análise climática interna, até o tratamento com a coleção e sua comunicação, visando promover e fomentar a valorização do patrimônio cultural do município vizinho.