Cê na Sexta retorna com Teatro Musical Gabriela

Produção é resultado do projeto de extensão Teatro Musical Unila

 

“Gabriela”, um clássico da literatura brasileira ganhou uma readaptação e se transformou em um espetáculo de teatro musical. A apresentação acontece nesta sexta-feira, 8, às 20h, na Fundação Cultural. A montagem baseada na obra de Jorge Amado é uma produção do projeto de extensão Teatro Musical Unila. A entrada é franca e os assentos limitados.

 

A apresentação integra a programação do Cê na Sexta, projeto cultural desenvolvido em uma parceria entre a Fundação Cultural e a Unila e que a cada sexta-feira oferece atividades artísticas nas áreas de dança, literatura, teatro e música.

 

Adaptação 

O espetáculo revive o romance de Jorge Amado, na Bahia de 1925, durante uma das maiores secas da história do nordeste. O drama leva para Ilhéus, Gabriela, uma bela retirante que conquista a todos, principalmente Nacib, dono do bar mais popular da cidade. A trama traz não somente uma história de amor, mas trata de temas atuais como misoginia, trabalho escravo, repressão social,dentre outros.

 

Para montar a obra, o projeto de extensão Teatro Musical da Unila realizou um trabalho interdisciplinar que combinou pesquisa, orientações gratuitas de técnica vocal; musicalidade; formação de repertório; expressão corporal; interpretação, e estética musical, ao longo de sete mese de trabalho com uma equipe de 21 pessoas.

 

Sob a coordenação geral do professor e regente, Gustavo Henrique Pinto e direção cênica de André Macedo, o grupo conta atualmente com 18 atores, entre integrantes da universidade e da comunidade. A montagem também conta com a participação dos professores do curso de Música da UNILA, Lucas Casacio e Gabriel Rezende, responsáveis pelos arranjos. 

 

“A proposta principal é poder oferecer linguagens artísticas diversas; canto, interpretação, dança, com qualidade de maneira gratuita. O teatro musical é uma arte total pois consegue ter a questão interdisciplinar juntar várias linguagens e ter contato direito com a plateia”, explicou o maestro.

 

Para ele, a escolha do texto apareceu naturalmente como uma vocação ao reconhecimento da cultura latino-americana. “Essa adaptação ainda é atual e traz temas relevantes como misoginia, trabalho escravo, dentre outros”.

 

A adaptação do texto foi realizada pelos discentes Gianluca Puls e Sara Isabel Skupieñ. Integram o elenco: Gianluca Puls, Joelma de Brito, André Gancine, Fabiana Aparecida da Cruz, Carol Arenhart, Weverton Inácio, Raquel Caldeira Cioffi, Manoel Oliveira, Luiz Figueiredo,Gabriela Bonfim, Will Fragata, Caio César de Assunção, Fred Cavalcante, Diego Carvalho, Patrick Rocha, Raquel Santos Souza, Vinícius Rivello. A classificação é de 14 anos.