Comitiva do CEPAC visita patrimônio em Puerto Iguazú

No total roteiro incluiu nove prédios e espaços já tombados no país vizinho

 

Membros do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural de Foz do Iguaçu participaram na última semana, de uma visita de cortesia ao município de Puerto Iguazu, na Argentina para conhecer de perto o patrimônio histórico tombado na cidade. 

 

A visita está inserida na política da fronteira, que visa o intercâmbio de informações entre as cidades dos três países. “A visita do CEPAC foi um encontro muito importante, tanto para o grupo quanto para a direção municipal de patrimônio, que vem trabalhando há dois anos no resgate patrimonial, e agora conseguimos nos encontrar pessoalmente”, explicou María Laura Novas, museóloga e assessora técnica na Direção Municipal de Patrimônio Histórico de Puerto Iguazú.. 

 

A recepção do grupo de brasileiros  foi feita na sede da direção municipal de patrimônio. Logo em seguida o grupo foi guiado ao centro histórico e ao Museu Imagens da Selva. “Comparamos histórias entre Brasill e Argentina sobre as margens do rio Iguaçu, que sabemos foi e ainda é um lugar de encontro entre brasileiros e argentinos”.

 

Logo depois seguiram até o Marco das Três Fronteiras, onde o tema sobre a segunda ponte com o Paraguai foi discutido, especialmente a localização de uma das bases da nova ponte ficar ao lado de um monumento patrimonial como é o marco das três fronteiras . “Conversamos sobre afetar ou não a visão ambiental e patrimonial da região trinacional”, ponderou. 

 

A visita estendeu-se também por uma série de edifícios tombados, considerados de interesse histórico cultural desde 2009. “Seguimos trabalhando para escutar as vozes de nossos vizinhos e propor as declarações que a comunidade solicite”, comentou Maria Laura. 

 

Para um dos integrantes do CEPAC, Pedro Louvain, a visita foi enriquecedora, pois mostrou como o município argentino tem lidado com as questões de preservação. “Eles já possuem uma Política Pública de valorização e preservação do Patrimônio Cultural de forma mais ampla na cidade, ao passo que Foz do Iguaçu está apenas começando, possuindo apenas algumas iniciativas pontuais e dispersas. Eles já possuem uma visão do todo mais amadurecida, apesar da cidade ser menor. Já são 9 bens culturais reconhecidos como de interesse histórico, nós estamos a caminho de ter o primeiro (O Marco das Três Fronteiras)”. 

Futuro

Este ano o CEPAC iniciou um plano de trabalho, que tem como meta elaborar estudos, pesquisas e levantamentos acerca dos bens patrimoniais, materiais e imateriais, públicos e privados, passíveis de medidas de proteção e preservação, bem como de acompanhar e fiscalizar os bens protegidos ou de interesse patrimonial. 

 

O grupo tem feito visitas periódicas para reconhecimento desses locais em Foz do Iguaçu. A visita à Argentina, estreita laços e auxilia no intercâmbio de informações entre os países para melhor aplicação da política pública de preservação e reconhecimento do patrimônio de cada país.