Gelotecas por todos os lados!

Projeto distribui geladeiras transformadas em mini bibliotecas em locais de grande circulação
Quem passar pelo Centro da Juventude do Jardim Naipi (CEJU), Centro de Convivência do Idoso (CCI), Terminal de Transporte Urbano (TTU), Zoológico Bosque Guarani ou pela Unidade Básica de Saúde do Três Bandeiras poderá conferir de perto as Gelotecas, geladeiras transformadas em mini-bibliotecas pela Fundação Cultural de Foz do Iguaçu. 
 
A ideia surgiu como ação de promoção à Feira Internacional do Livro, e também como meio para proliferação da política de incentivo à leitura. “As gelotecas são utilizadas em outros municípios, com sucesso. Elas levam à população esse acesso facilitado aos livros, assim como já fazemos com o projetos Roda Livro”, disse a diretora de cultura, Thaísa Praxedes.
 
As gelotecas carregam em seu interior livros com diversas temáticas, para diferentes públicos. O acervo foi repassado através de parceria, como o sebo Amadeus. 
 
Cada geladeira recebeu cerca de 30 livros, e o acervo deve ser monitorado pela Fundação Cultural, todas as semanas. “Vai depender muito do público”, disse Thaísa referindo-se sobre a permanência das geladeiras nos locais. 
 
Os livros, gibis e revistas receberam carimbos de venda proibida e também tiveram parte da lateral coloridas com tinta vermelha, para inibir ação de pessoas mal intencionadas. A regra para pegar um livro é simples e flexível; a pessoa pode levar para casa o livro, e depois de lido, fazer a devolução ao local retirado, permitindo que outras pessoas tenham acesso. No caso de permanecer com o livro, poderá colocar outro em seu lugar. “Não há multa a quem ficar com o livro, mas seria importante a comunidade permitir que mais pessoas pudessem ter acesso a esses títulos”. 
 
Os locais escolhidos tem uma importante característica em comum: grande circulação de pessoas. “Optamos por espaços cobertos na maioria, para que as geladeiras fiquem seguras, mas de grande circulação, para que tanto adultos quanto crianças possam ter acesso livre”, esclareceu Thaisa. 
 
Arte
Cada geladeira recebeu uma pintura diferenciada de artistas locais. Participaram dos projetos os artistas Cleise Vidal, Ju Hickman, Javaman, Blue e Luiz Nakasoni. Com diferentes técnicas os artistas mostraram versatilidade e criatividade na produção. Pinturas com tinta sintéticas, spray, canetinha e colagens integraram a ação. 
 
“Fiquei muito feliz em participar dessa ação junto à Fundação, com olhos voltados à Feira do Livro, ver arte na rua conectada com literatura, e com aprendizado e com tudo que inspira as pessoas na cidade, é gratificante. Estou sempre na expectativa de poder participar de ações como essa”, comentou Cleise. 
 
Para Ju Hickman, a ideia de disseminar e incentivar a leitura de uma forma artística, conquistou os artistas. “Proporcionar o inusitado ao inserir uma geladeira customizada em um espaço diferente, chamar atenção para ela pela arte, e nela entregar livros! Sem dúvida é um projeto que fomenta literatura e arte ao facilitar o acesso do público, e deve ser multiplicado”. 
As Gelotecas não tem data para deixar seus pontos iniciais. O cuidado com a reposição dos livros está a cargo da Fundação Cultural.