Aimoré Índio do Brasil Arantes ministra oficina sobre patrimônio

Conversa com público acontece nos dias 5 e 6 de outubro e inscrições são gratuitas

 

Um dos maiores historiadores do país, e membro da Coordenação do Patrimônio Cultura do Estado, Aimoré Índio do Brasil Arantes, estará em Foz do Iguaçu dias 4 e 5 de outubro para ministrar a Oficina sobre Patrimônio, a convite da Fundação Cultural. 

 

O encontro é aberto a toda comunidade que deseja ter mais informações a respeito de todo o funcionamento do tombamento e patrimônio. As inscrições podem ser feitas na sede da Fundação Cultural, Rua Benjamin Constant, 62, e mais informações podem ser obtidas pelo telefone  3521-1511.

 

A oficina será dividida em momentos diferentes, sempre com a preocupação em transmitir in loco a teoria sobre o tema. No primeiro dia serão abordados temas como: O que é patrimônio, O patrimônio segundo a Carta Magna do Brasil e o pioneirismo do Paraná na preservação legal do patrimônio cultural. Na abertura, a oficina inicia às 13h30, no Comtur, na Avenida das Cataratas, 2330.

 

No segundo dia, as atividades iniciam logo pela manhã, às 9 horas, com discussões sobre tombamento, quando deve ser requerido, quem pode fazer a solicitação, e reconhecimento dos bens culturais e naturais paranaenses já tombados. No período da tarde haverá leitura da lei Municipal de Tombamento, discussão de propostas de mudanças, além da elaboração de propostas de mudanças na lei e proposta de reestruturação do Conselho. O encerramento acontece às 20h30. 

 

 A Educação Patrimonial é um dos atributos legais da Coordenação do Patrimônio Cultural da Secretaria de Estado da Comunicação e da Cultura. A Oficina de Patrimônio Cultural em Foz do Iguaçu tem o objetivo de repassar, principalmente, a prática preservacionista que em 2019, completa 71 anos. 

 

“Essa prática preservacionista é composta pela pesquisa,  pela gestão legal, pela educação patrimonial (seminários, cursos, oficinas, palestras etc) e pela divulgação por meio de revistas, livros, cadernos e, mais recentemente, pela internet”, comentou o palestrante..

 

Para  Arantes, “o caminho mais importante a ser percorrido em direção à preservação do patrimônio cultural e natural dos municípios, dos estados e do país é a Educação Patrimonial. É por meio dela que iniciamos o processo de aprendizagem que determinará o grau de proteção do patrimônio cultural e natural existente em qualquer lugar”.

 

Local

A política para resgate de preservação na cidade vem sendo desenvolvida ativamente pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, por meio da Comissão Permanente de Preservação e Fiscalização, e vem de encontro a antigas reivindicações para tombamento.