“Formação para artistas e produtores é essencial para qualificação de projetos”, diz palestrante

Ao longo de quatro dias artistas e produtores receberam informações sobre a produção de projetos

 

Profissionalização e qualificação de artistas e produtores culturais. Ao longo de quatro dias as duas premissas nortearam a realização do curso gratuito ofertado pela Fundação Cultural de 4 a 8 de julho, com a temática “Produção, Gestão, Criação e Elaboração de projetos culturais”, tendo como palestrante Mari Feil. 

 

“A oficina é forma que consegui elaborar onde trabalho com artista porque também sou artista e conecto com quem não sabe produzir, mas sabe de arte  e quer começar a trabalhar no campo da produção. O que leva a pensar o projeto, não apenas sua elaboração, mas pensar para sustentabilidade do que acredita, não tirando a essência”, comentou Mari que tem amplo currículo como atriz e produtora. 

 

Para ela, a falta de conhecimento burocrático e organizacional é um dos principais empecilhos para captação de apoio e parcerias. “Hoje o artista que não se produz tem muitos problemas. Pois nossas políticas públicas, de modo geral diminuíram, então tem que se conectar com o que está acontecendo e achar novas possibilidades, novos caminhos”. 

 

A resposta, está, segundo ela, no conhecimento de instrumentos gerenciais que possibilitarão melhor aproveitamento de demandas. “A resposta está na criação de redes de conexão, leitura atenta de cada edital e reconhecer um problema a ser solucionado. “Quem busca montar um projeto precisa sempre fazer essa pergunta: que problema resolvo com meu projeto, qual o diferencial do meu projeto? Isso é resolver uma demanda, mas para isso acontecer é preciso conexão”. 

 

Impressões

Aos artistas e produtores, a oportunidade de participar de uma oficina de formação foi significativa e esclarecedora. Dos mais novos aos mais antigos no ramo.

A musicista e agora produtora Graça Paúra, integrou a turma de 28 pessoas. “Resolvi fazer a oficina porque estou há um ano no ramo de produção musical e é preciso a gente se atualizar e  aprender mais. A empresas, nossas certidões tudo precisa estar em ordem. É uma oportunidade muito boa”. 

 

Vivien de Lima, produtora cultural, também elogiou a iniciativa; “Comecei a estudar há dois anos e a gente sempre precisa se atualizar. É importante que os artistas entendam o trabalho dos produtores, é preciso pensar estrategicamente. Esse curso gratuito abre possibilidades”.

 

Nilse Mognol, artesã também dá seus primeiros passos na produção de projetos. “Fiz o curso com intuito de obter mais informações, ainda preciso me aperfeiçoar. Quanto mais informação e conhecimento se tem, melhor é, mais fácil fica de ler e entender um edital”. 

 

Para o diretor presidente da Fundação Cultural, Juca Rodrigues, a construção de políticas públicas prevê a consolidação da cultura através de ações permanentes. “Iniciativas como essa oficina provam que é preciso ofertar formação para maior qualificação tanto de artistas quanto de produtores. Além disso é do nosso interesse que esses grupos possam ir além de editais locais e consolidem seus trabalhos em qualquer outro espaço. Isso fortalece a produção cultural local”, concluiu.