Palestras, debates e reflexões marcam o Mês da Mulher em Foz

Secretaria de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, Fundação Cultural e Centro de Referência de Atendimento à Mulher promovem atividades para aproximação e diálogo com público feminino

Celebrado no dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher ganha, este ano, uma programação especial em Foz do Iguaçu. Diversas atividades foram programadas através de uma parceria entre a Secretaria Extraordinária de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, Fundação Cultural e o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM). O objetivo é envolver o público feminino e promover o empoderamento das mulheres de todas as idades. 
 
Com o tema: “Você não está sozinha”, a campanha também representa a preocupação em trabalhar com a sororidade e a informação a respeito da rede de prevenção à violência contra a mulher. No material publicitário – que será distribuído em todas as secretarias –  endereços de locais de acolhimento são listados.
 
A campanha inclui uma série de atividades gratuitas, desde oficinas de artesanato, rodas de conversa, palestras, cine-debate. Elas seguem até o dia 28 de março. “A intenção é reunir grupos de debate e levantar discussões acerca do papel da mulher na sociedade, espaço de poder e protagonismo feminino. Além disso também vamos tratar do compromisso do governo municipal com a Agenda 20/30 (ONU) sobre equidade de gênero”, disse a secretária de Direitos Humanos, Rosa Maria Jerônymo.
 
A ideia de promover ações abertas à comunidade vem de encontro a outras ações já iniciadas anteriormente, como os “16 Dias de Ativismo Contra a Violência”, realizado em 2018, que contou com mais de 50 ações  em diversos nichos da cidade. “Há alguns anos o movimento de mulheres vem crescendo e trazido impacto global, pois o assunto está sendo discutido mundialmente. Aqui no Brasil, acompanhamos recentemente a premiação de uma escola de samba (Macha Verde) ao abordar a mulher como tema”, disse Kiara Heck, coordenadora do CRAM. 
 
DESPERTAR
Segundo ela, ações como os 16 dias de Ativismo, e agora, no mês da mulher, promovam não somente a discussão, mas também o despertar. “Esse não é um período de celebração, e sim de militância, de reflexão sobre o tema, e todo e qualquer movimento coletivo gera uma emancipação popular e coletiva”, afirmou Kiara. Para ela, a iniciativa em Foz reforça os programas de prevenção à violência contra a mulher, mas também dão luz à emancipação e resgate das potências da mulher. 
 
ATIVIDADES
As ações iniciaram nessa quarta-feira, 6 com a oficina de artesanato no Terminal de Transporte Urbano. A atividade se repete hoje (7), das 8h às 17h. A atividade é aberta a membros de clubes de mães e outras pessoas interessadas. “Abrimos hoje (ontem) e vieram muitas mães de fora que ficaram interessadas em aprender algo”, disse Anaíde Daroz, que ministrou o curso de fuxico. Para participar não é preciso inscrição prévia. 
 
ENCONTROS
Nesta sexta-feira (8) acontece o Café da Manhã com as servidoras públicas na sede da Fundação Cultura, a partir das 8 horas. Às 10h30 um grupo de mulheres integrantes dos clubes de mães estará nas Cataratas do Iguaçu, praticando uma aula de Yoga sob a coordenação da secretaria de DH, do Coletivo Educador Municipal e Parque Nacional do Iguaçu.
 
No período da tarde, na sede do CRAM (Rua Padre Bernardo Plate, 1250-Jardim Polo Centro) será realizada a Ciranda da Marilu, uma roda de conversa com as servidoras. No CMEI Comendador Pedro Jacob Lakus, a partir das 15 horas acontece a Roda de conversa com as mães sobre o empoderamento da mulher e suas consequências sociais e a abertura oficial da campanha. 
 
Além da programação oficial envolvendo a administração pública, coletivos e grupos organizados também estão com programação especial para o mês da mulher, como a Marcha das Mulheres, que acontece dia 8, das 19h às 22h, com concentração no Bosque Guarani e percurso até a Praça da Paz.