Feirinha da JK tem edição especial no feriado da Proclamação da República

Atrativo abre nesta quinta-feira (15) a partir das 18 horas e contará com praça de alimentação, artesanato e comércio de variedades e espaço infantil
A Feirinha da JK vai abrir nesta quinta-feira (15), feriado da Proclamação da República. O atrativo funcionará das 18h às 23 horas e vai oferecer ao público toda a diversidade gastronômica e cultural que faz parte dos finais de semana da comunidade e turistas.
 
O corredor colorido da feirinha já se tornou um dos cartões postais de Foz e desde o ano passado a Fundação Cultural também organiza edições especiais, como forma de contemplar população e moradores, alem de contribuir para a geração de renda dos feirantes. 
 
Além do pastel feito na hora, a Feirinha oferece um show de sabores de uma culinária marcada pela diversidade étnica e cultural. A produção da agricultura familiar e orgânica também é marca registrada da feirinha. Os moradores podem degustar e levar para casa uma série de produtos coloniais, como queijos, legumes, verduras, doces e geléias caseiros.
 
Em meio à diversidade de sabores, a feirinha também é espaço para a exposição e comércio do artesanato regional e das artes plásticas, com peças e obras autênticas, criadas por artistas locais. Mas há espaço para todas as artes e expressões.
 
Atrações artísticas e culturais, atividades de conscientização e utilidade pública, manifestações de pensamento e causas transformam a Praça da Paz, que integra o mesmo espaço, em um dos ambientes mais democráticos da cidade e simbolizam a força da diversidade de Foz do Iguaçu e da região. 
 
Projeto Feira Livre das Nações
A Feirinha da JK compõe o projeto Feira das Nações que acontece em cinco locais: Vila A (nas quarta-feiras); na Praça da Bíblia (aos sábados); Bosque Guarani (às sextas-feiras), Vila Yolanda (sextas-feiras) e na Av. JK. (aos domingos). A gestão da feira é de responsabilidade da Fundação Cultural, compartilhada com a Prefeitura de Foz do Iguaçu.
 
A intenção da feira é democratizar o acesso à população ao entretenimento, a aquisição de produtos diferenciados e ao consumo de alimentos provenientes da agricultura familiar.  O enfoque é valorizar o trabalho dos artesãos e dos produtores locais.