Mês da Consciência Negra será marcado por diversas atividades em Foz

Programação começa neste domingo na Praça da Paz; atividades incluem mostras das religiões afro-brasileiras e rodas de capoeira

 

O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro, mas, em Foz do Iguaçu, a data instituída para refletir sobre a inserção do negro na sociedade, terá um mês de atividades voltadas à cultura afro. 
 
A programação tem início neste domingo (11), a partir das 8 horas, na Praça da Paz (avenida JK) com exposições sobre sincretismo religioso da Umbanda e Candomblé. A atividade contará com uma mostra de indumentárias dos orixás, imagens e plantas da cultura afro-brasileira. Além da mostra, uma roda de capoeira vai envolver a comunidade em uma expressão cultural simbólica dos negros. No próximo domingo, dia 18, a praça da Paz também receberá apresentações artísticas do maracatu e roda de capoeira a partir das 8 horas. 
 
Já no dia 25 de novembro, pela primeira vez, Foz receberá uma festa em homenagem ao Senhor do Bonfim, com a lavagem da escadas da Igreja Nossa Senhora dos Navegantes (Vila Yolanda). A atividade acontecerá às 16 horas e é organizada pelo Terreiro Babalorixa Olufanha.
 
Também no dia 25, a Praça da Mentira, na Vila C, receberá a 3ª Feira da Consciência Negra, com palestras, apresentações culturais e mostras das religiões de matrizes africanas. A organização é dos grupos Senzala e Kaburé Maracatu e tem como objetivos romper com o racismo estrutural, os preconceitos e intolerâncias com as religiosidades de matrizes africanas. A feira começa às 16 horas. 
 
Lei Municipal 
As atividades também vão ao encontro da Lei Municipal 4613/2018 que instituiu no Calendário de Eventos Oficiais do Município de Foz do Iguaçu a Semana Municipal de Promoção da Igualdade Racial. A legislação recentemente sancionada pelo Prefeito Chico Brasileiro visa ampliar a reflexão, o diálogo e a conscientização sobre o processo histórico de formação da sociedade brasileira, promover e valorizar as diversas culturas, bem como combater o racismo e a discriminação.
 
Segundo a Secretaria Extraordinária de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, Rosa Maria Jeronymo de Lima, a lei atende e representa uma importante parcela da comunidade de Foz do Iguaçu. “O papel da secretaria e do governo é a aproximação com todas as pessoas e a responsabilidade com a inclusão social. É importante refletir sobre a realidade e enfrentar, com políticas públicas, a discriminação. Valorizar e divulgar a cultura afro-brasileira é um importante caminho nesta jornada contra o preconceito. Nosso desafio diante do cenário nacional é ainda maior, pois vivemos em uma cidade cosmopolita compartilhada por vários povos”, expressou Rosa. Conforme dados do IBGE, 36% da população do município se declarou preta ou parda no ultimo censo. 
 
Dados 
A vulnerabilidade da condição social dos negros está expressa nas estatísticas de violência no país. De acordo com dados do Atlas da Violência de 2017, a cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. Ainda segundo o levantamento, os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças.
 
Em Foz do Iguaçu, conforme relatório de 2017 da Secretaria de Segurança Pública, aproximadamente 84% das vítimas de homicídio são negras e pardas. Os negros também são os que mais sofrem com as violências por intolerância religiosa, doméstica e engrossam a estatística de desemprego no país.
 
Organização
O Mês da Consciência Negra está sendo organizado pelo Governo do Município de Foz do Iguaçu, através da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade e Fundação Cultural, em parceria com o coletivo “Povos de Terreiro”, Grupo Senzala, Grupo Kaburé Maracatu, Grupo Camboatá, e demais organizações culturais e sociais do movimento negro na cidade.