27
abr
I Feira do Vinil
19:00 até 13:00
From 27-04-18 até 29-04-18

Praça da Paz será ponto de encontro de colecionadores, expositores e amantes do vinil nos dias 27, 28 e 29 de abril;

A paixão pelo vinil, compartilhada por vários colecionadores espalhados pela cidade, se transformou em uma ideia e fez surgir a I Feira do Vinil, que acontecerá entre os dias 27 a 29 de abril, na Praça da Paz. O espaço pretende reunir mais de cinco mil exemplares, dentre raridades e discos consagrados que fazem uma verdadeira viagem ao universo musical.

A abertura do evento acontece na sexta, às 19h, em meio à edição noturna da Feirinha da JK e prossegue até às 23h. No sábado, a feira funciona das 19h às 23h e no domingo, das 8h às 13h.

Realizada pela Fundação Cultural com apoio de uma comissão organizadora composta principalmente por colecionadores, a I Feira do Vinil vai ser ponto de encontro para expositores, tanto os sebos da cidade quanto para colecionadores que desejam levar seus LPS para venda, troca e principalmente para compartilhar a experiência e a paixão musical.

Para proporcionar uma experiência de integração, a feira oferecerá um estande para que público possa expor os LP´s e também um espaço para audições dos discos. As capas são outro símbolo que mobiliza os colecionadores e amantes do vinil. Elas são parte integrante desta paixão que transmite mensagens e retrata períodos históricos através da música, da arte e da fotografia.

Além da experiência sensorial provocada pelos LP´s, a Feira contará com um espaço chamado “Cultura do Vinil” que conta a história do vinil e todas as curiosidades sobre esse objeto que desperta paixões e sobrevive aos tempos e às gerações.

O estande é organizado pelo Grupo de Estudos de Mídias e Cultura, composto por acadêmicos do curso de publicidade da UDC. A inciativa é coordenada pelo professor de publicidade Mac Fernandes, um grande apreciador do vinil e da cultura musical.

Disco é cultura

Com o slogan “Disco é Cultura”, a I Feira do Vinil surgiu dessa paixão e de um saudosismo que fez o objeto se manter vivo ao longo história, ultrapassar gerações, sobreviver à modernidade e junto ao colecionismo, está a cada dia conquistando novos públicos.

Esse conjunto de experiências promovidas pela música que retrata períodos históricos, lembranças individuais e coletivas, marcam uma cultura universal. Foi assim, com paixão e conhecimento, que surgiu a ideia da feira. É o que conta um dos integrantes da Comissão Organizadora do evento, o colecionar José Pedro Santos do Nascimento.
“Eu e o Juca (Juca Rodrigues) dialogamos sobre o vinil, sobre essa paixão pela música, e aí a ideia surgiu porque a música é poesia, filosofia, despertar para o sensível, ela é cultura, vai além do produto, ela conta uma história, e cria experiências” , relembrou com entusiasmo Nascimento.

Ele que se considera um “Beatlemaníaco” e um “Lennomaníano”, tem um acervo de mais de 700 lps, dentre eles, muitas preciosidades, como o álbum duplo de John Lennon, Some Time in New York City, lançado em 1972. “Nós fazemos uma viagem ao tempo e a música fala da nossa história, desperta emoções e conhecimento”, completou Nascimento ao recordar as histórias de sua juventude e as sensações que brotavam no período histórico do lançamento dos discos clássicos do Beatles.

São essas experiências que a I Feira do Vinil pretende proporcionar ao público. De acordo com o Diretor Presidente da Fundação Cultural, “a I Feira do Vinil é a expressão de uma importante parcela da cidade, que coleciona vinis e que agora terá um espaço para partilhar essa cultura e trocar experiências”, disse Rodrigues, já projetando para a segunda edição a integração com os países vizinhos. “Essa é a primeira experiência, mas pretendemos integrar o território trinacional para a próxima feira, ampliando a diversidade e a integração cultural da região”, projetou Rodrigues.